Close

13 Julho, 2020

União Europeia altera estratégia contra Xylella fastidiosa

A Comissão Europeia abriu uma consulta pública sobre novas medidas para impedir a introdução e a propagação de Xylella fastidiosa. O novo documento reduz a área de erradicação, reduzindo, consequentemente, a área em que é obrigatório o arranque das árvores.

Xylella fastidiosa

De acordo com o novo documento, em cada área demarcada apenas será obrigatório arrancar as árvores infetadas por Xylella fastidiosa, havendo a possibilidade de replantar variedades sensíveis à Xf multiplex que não obtiveram resultados positivos em pelo menos dois anos, como por exemplo oliveiras e cerejeiras (exceto em territórios com planos de contenção).

As alterações à legislação em vigor permitem também o uso da madeira desenraizada e a remoção de uma área demarcada após quatro anos sem sinais da presença de Xylella fastidiosa (atualmente são cinco anos) e proíbem a saída de espécies hospedeiras da bactéria.

A nova decisão, que deverá entrar em vigor no final de agosto, proíbe a saída do vegetal hospedeiro da zona demarcada para as subespécies correspondentes.

Saiba mais sobre a evolução da Xylella fastidiosa em Portugal e sobre o projeto europeu LIFE RESILIENCE.

FONTE: CiB e Phytoma